Romário da Silva Barros, de 31 anos, do portal ‘Lei Seca Maricá (LSM)’ foi morto com três tiros na cabeça; corpo estava dentro de um carro. Foi o segundo caso em menos de um mês. O jornalista Romário da Silva Barros
Reprodução / Facebook / RomarioBarrosOficial
O jornalista Romário da Silva Barros, de 31 anos, do portal “Lei Seca Maricá (LSM)”, foi encontrado morto dentro de um carro em Maricá, na região dos Lagos, na noite desta terça-feira (18).
O corpo estava em veículo nas proximidades do Fórum da cidade, no Bairro Araçatiba. Segundo as primeiras informações, Barros foi morto com três tiros na cabeça.
Barros é o segundo jornalista assassinado na cidade em menos de um mês. No dia 25, Robson Giorno, dono do “Jornal Maricá”, foi morto perto de sua casa.
Em nota, a Prefeitura de Maricá repudiou o crime:
A Prefeitura de Maricá vem a público manifestar a sua indignação e o seu repúdio a mais esse ato de violência contra um jornalista da cidade. Investigação imediata e a identificação e punição dos responsáveis é urgente para a população de Maricá. Um atentado contra a liberdade de expressão.
Maricá não é nem nunca será o santuário para delinquentes de qualquer espécie. Reforçamos nosso inteiro compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão. Qualquer ato de violência deve ser repudiado. Reafirmamos ainda nossa permanente preocupação com a segurança de todos os que vivem e trabalham no município.
O prefeito Fabiano Horta manifestou indignação pela morte de Romário Barros e afirmou que cobrará, pessoalmente, a solução do crime.
“É inaceitável que em menos de um mês a cidade esteja passando pela segunda morte de um jornalista. Vamos cobrar uma ação rápida e efetiva do Estado para que os crimes sejam solucionados e uma resposta seja dada às famílias e a sociedade. Não aceitaremos a impunidade. O povo de Maricá cobrará uma resposta rápida e assertiva desses assassinatos. A cidade sente e manifestamos os sentimentos à família”, afirmou Fabiano Horta.

Mais detalhes