Localizado às margens do Rio Negro, resort cinco estrelas tem dívida com concessionária de energia. Hotel Tropical, localizado na Zona Oeste de Manaus
Divulgação
Um dos hotéis mais conhecidos do Amazonas passa por uma grande crise financeira. Localizado às margens do Rio Negro, o Tropical Hotel vive uma realidade bem diferente da de outros tempos, quando foi destino de celebridades como as Spice Girls e seleções internacionais durante a Copa do Mundo de 2014. Há quase uma semana, o eco resort cinco estrelas está sem energia elétrica. Os hóspedes precisaram sair, e alguns funcionários foram demitidos.
Hotel fica às margens do Rio Negro
Divulgação
O G1 esteve no hotel nesta quinta-feira (16). Hall de entrada, pátio, área de convivência e corredores seguem com a mesma estrutura, mas não há nenhum turista ocupando os mais de 600 quartos. As várias lojas de souvenirs amazônicos do empreendimento ainda conservam suas vitrines, mas as portas estão fechadas.
O vazio dos corredores tem motivo: uma dívida de aproximadamente R$ 20 milhões com a Eletrobras, que fez a energia elétrica do local ser cortada no dia 10 deste mês. Com isso, todos os hóspedes (não foi informada a quantidade de pessoas) que estavam ali foram reembolsados e seguiram para outros hotéis da capital.
Hall do Tropical Hotel, em Manaus
Eliana Nascimento/G1 AM
O corte de energia provocou a interrupção das atividades no hotel. Nos próximos dias, ele ficará sem receber hóspedes e com quadro reduzido de funcionários.
Avaliado em quase R$ 300 milhões, o hotel já tinha dava sinais de crise há alguns anos. Antes da interrupção do fornecimento de energia, já era possível perceber a situação: boa parte dos quartos, ainda que com cuidado diário do staff, estava com colchões encostados nas paredes e passava o dia com portas e janelas abertas. No primeiro final de semana do mês, durante as primeiras horas do domingo, por duas vezes seguidas, faltou energia. Foram quedas rápidas, logo restabelecidas.
Área externa do Hotel Tropical
Eliana Nascimento/G1 AM
À exceção do restaurante localizado no Parque das Águas, desativado há algum tempo, os serviços seguiam normalmente. O centro de lojas – que atendia não só hóspedes, mas visitantes no geral – já estava desativado. Ainda assim, lojas do interior do hotel seguiam abertas, ainda que com baixa frequência de vendas.
Ponto bastante visitado do hotel, o zoológico reúne animais como onças, macacos, e tartarugas. De acordo com a assessoria, no período em que o eco resort estiver fechado, o local receberá visitas de um biólogo para cuidar da fauna.
Área onde fica piscina do hotel
Isabella Pina/G1 AM
O que diz a Amazonas Energia
Em nota, a concessionária diz que “há mais de 20 anos ocorrem diversas tentativas de negociações com o Tropical Hotel Manaus”. Suspensões de fornecimento de energia elétrica do hotel, por não cumprimento dos acordos, ocorreram por diversas vezes, ao longo dos anos.
A última negociação ocorreu em abril de 2019, quando a Amazonas Energia concedeu desconto de 60%, sobre o valor de uma dívida de mais de R$ 20 milhões, o acordo, que previa o pagamento de R$ 8 milhões, pelo Tropical Hotel, também não foi cumprido. Desde o ano de 2018 até o presente momento, foram realizados três cortes por inadimplemento, entretanto a Distribuidora realizava o religamento mediante liminares.
Acordos judiciais e leilões
Nos três primeiros meses de 2019, os representantes do hotel participaram de várias audiências especiais de mediação no Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Solução de Disputas – CEJUSC-JT do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11).
As audiências envolveram processos que tramitavam em primeira instância, a maioria em fase de execução. Das 72 audiências realizadas, houve acordo em 53 processos, totalizando o valor de R$ 1.166.210,27 a ser pago aos reclamantes.
Antes disso, em outubro de 2018, processos trabalhistas que envolviam o hotel foram a discussão na 1ª Vara do Trabalho de Manaus. Dos 15 processos pautados, 11 resultaram em conciliações, totalizando R$ 132 mil reais em créditos trabalhistas. As ações trabalhistas tinham como pedidos principais o pagamento de verbas rescisórias, FGTS, férias, 13º salário, além de danos morais e materiais.
Os débitos trabalhistas fizeram, ainda, com que bens do Tropical e o próprio ecoresort fossem a leilão.

Mais detalhes